Agro Forte

A força vem do campo. A cada divulgação de novos números da economia nacional não restam dúvidas de que o setor agropecuário, cada vez mais, é a grande mola propulsora do desenvolvimento brasileiro e o pilar principal de nossa recuperação econômica. Após dois anos de quedas do PIB brasileiro, em 2017 a economia voltou a crescer 1%. O agro foi o grande responsável deste crescimento, com 13% de alta no ano, o que correspondeu a 0,7% do resultado nacional, ou seja, sem o agro o crescimento do PIB seria de apenas 0,3%. 

O aumento da safra brasileira de grãos de 29,5% em relação à safra anterior foi o principal responsável por este resultado em 2017, conquistado graças ao empenho do produtor rural. Apesar das condições desfavoráveis da economia nacional, os agricultores insistiram nos investimentos em melhoria da produtividade e, aproveitando as boas condições climáticas, colheram a maior safra de grãos todos os tempos, com 238 milhões de toneladas produzidas. Esta elevação da produção agrícola também foi fundamental para o aumento do saldo da balança comercial, a redução da inflação e a geração de empregos. 

O sucesso da produção rural é evidente e está sedimentado na dinâmica do setor em absorver novas práticas e tecnologias em todos os seus níveis, seja nas sementes e mudas, na adubação, nas máquinas, bem como no uso e manejo do solo, fatores que elevam a produtividade e a sustentabilidade da atividade. Os resultados positivos que a produção rural traz para a economia e sociedade como um todo são expressivos, garantindo a multiplicação da renda no país e o abastecimento interno, não só de alimentos, mas de matérias primas para diversas cadeias industriais. É preciso destacar também que é a renda rural que impulsiona o desenvolvimento do interior do país, fazendo despertar novos polos econômicos Brasil adentro. 

O setor rural cresce a despeito de todos os entraves nacionais a que está submetido. Com infraestrutura deficiente e enorme demora para que novos projetos sejam efetivados, como no setor de logística por exemplo, a atividade agropecuária perde competitividade. É mais do que necessário que as políticas públicas de apoio aos setores produtivos sejam reforçadas, dando condições para que os empreendedores e trabalhadores brasileiros possam se desenvolver de maneira mais sustentável.    

O Brasil é a terra da agropecuária, e o setor se orgulha de poder contribuir a cada nova safra com o crescimento nacional!