A importância da citricultura nacional

Alexandro Santos – Analista Técnico do IFAG para área de Fruticultura

A história da citricultura brasileira está intimamente ligada à própria história do país. Poucos anos após a descoberta do Brasil, por volta de 1530, os portugueses introduziram as primeiras sementes de laranja doce nos Estados da Bahia e de São Paulo. Dadas às condições ecológicas favoráveis, as plantas produziram satisfatoriamente, e as frutas já eram de excelente qualidade. Mas somente a partir de 1930 é que a citricultura começou a ser implantada comercialmente nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia, e posteriormente se espalhou por todo o país.

A citricultura contempla, além da laranja, que é o principal produto dessa cadeia, a tangerineira, a lima ácida e o limão e é uma das principais atividades agrícolas do mundo, apresentando alto consumo em vários países, independentemente da classe social da população.

No Brasil são 1,44 milhões de estabelecimentos rurais produzindo entre laranja, limão e tangerina. A área plantada chega a 2,9 milhões de hectares, produzindo 14,9 milhões de toneladas. O valor bruto da produção deve chegar a R$ 14,8 bilhões em 2019, representando uma alta de 15,1% com relação a 2018.

A citricultura brasileira, que detém a liderança mundial, tem se destacado pela promoção do crescimento socioeconômico, contribuindo com a balança comercial nacional e, principalmente, como geradora direta e indireta de empregos na área rural, sendo responsável por mais de 80% das exportações mundiais de suco de laranja e mais de 30% de toda a produção mundial da fruta. Quase 100% do suco de laranja produzido no país é exportado, isso graças ao produtor rural, que tem produzido, ano a após ano, frutas de excelente qualidade. São Paulo é o principal estado produtor, seguido por Minas Gerais, Paraná e Bahia.

A importação mundial é absorvida principalmente por três grandes mercados, o americano, o europeu e o canadense, o que faz com que as frutas cítricas brasileiras sejam conhecidas em boa parte do mundo.

A citricultura goiana se destaca no cenário nacional, com quase 13 mil hectares e uma produção de quase 226 mil toneladas, ocupando a 7ª colocação no ranking nacional. Em Goiás, gera quase R$200 milhões em valor bruto da produção, contribuindo significantemente na economia do estado, além de proporcionar rentabilidade e geração de renda para centenas de famílias.

O Dia do Citricultor é celebrado neste dia 8 de junho no Brasil, data estabelecida em 1969 e relembra da importância do profissional que cuida das plantações e da produção das frutas cítricas. É responsabilidade exclusivamente do citricultor otimizar os investimentos nesse negócio, buscando produtividade e a preservação dos pomares. É graças ao trabalho do citricultor que o Brasil é líder no mercado mundial e a citricultura é motivo de orgulho tanto para a economia brasileira como goiana. Entregar frutas frescas e de qualidade ao consumidor final é um grande desafio, mas gratificante. Por esse motivo, todo reconhecimento a este grande profissional. Parabéns, Citricultor!