Banco Mundial conhece trabalho do Senar

missao tecnica-amaralinaConsiderado um dos estados modelos na prática das capacitações técnicas, Goiás foi escolhido pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar Central), para ser a sede de uma missão realizada pelo Banco Mundial, Ministério da Agricultura, Pecuária e Irrigação (Mapa) e Senar Central, na última terça-feira (03). O Senar Central, em parceria com o Mapa, está desenvolvendo um projeto para o fomento da Agricultura de Baixo de Carbono – Programa ABC, e escolheu Goiás para fazer as alterações finais no documento.

O primeiro momento da visita foi conhecer o trabalho do Senar em Goiás, apresentado pelo Superintendente da entidade, Marcelo Martins. O objetivo foi mostrar ao grupo, durante os dois dias de programação, o trabalho realizado no estado voltado à Agricultura de Baixo Carbono (ABC).

Ainda na terça-feira (03), os técnicos do Banco Mundial conheceram a metodologia de capacitação do Senar Goiás, durante um treinamento sobre manejo de pastagens na Fazenda Santa Maria, no município de Campo Limpo de Goiás. Na ocasião foi discutido como uma área degradada pode ser recuperada, técnica que faz parte da Agricultura de Baixo Carbono.

Na quarta-feira (04), a delegação foi até o município de Amaralina, região norte do estado, para conhecer a propriedade agropecuária Topgen, que realiza a Integração Lavoura Pecuária, que também é integrado na Agricultura de Baixo Carbono. Segundo o proprietário, Rodrigo Nascimento, é preciso mudar a mentalidade do produtor em geral. “Não é correto somente disponibilizar o dinheiro e não ensinar como gerir o negócio. Sem dúvidas, com as capacitações, voltadas para o Programa ABC, vão ser um grande diferencial na administração do negócio”, diz.

Segundo a coordenadora de Projetos e Programas Nacionais do SENAR, Patrícia Machado, a visita dos técnicos do Banco Mundial serviu para fazer ajustes no pré-projeto e definir a execução das ações, assim como acertar a liberação de recursos para a realização das atividades previstas no programa, visto que o banco é o agente financeiro do ABC. “É importante o Banco Mundial estar aqui para nos orientar e dessa forma elaborarmos um projeto melhor e que poderá ser aprovado com mais facilidade”, declara.

Projeto ABC

Ação conjunta do SENAR, do Ministério da Agricultura e da Embrapa, o Projeto ABC pretende incentivar e difundir a adoção de práticas sustentáveis para a redução das emissões de gases de efeito estufa e sensibilizar o produtor para que ele invista na sua propriedade de forma a ter retorno econômico mantendo o meio ambiente preservado. O SENAR será responsável pela capacitação nas tecnologias, formação profissional e pela assessoria em campo, com recursos do FIP – via Banco Mundial –, que já encaminhou parte do recurso destinado à preparação do projeto.

O ABC vai atender nove estados do Bioma Cerrado (Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Maranhão, Bahia, Piauí, Minas Gerais e o Distrito Federal), num período de três anos, com a promoção de quatro processos tecnológicos: recuperação de pastagens degradadas, integração lavoura-pecuária-floresta, sistema de plantio direto e florestas plantadas.

O projeto prevê a realização de seminários de sensibilização e divulgação nos estados participantes, capacitação tecnológica de produtores e gerentes de propriedades e instrutores do SENAR e, ainda,  treinamento dos técnicos que atuarão na assessoria em campo para os produtores. Ao todo, 900 propriedades serão atendidas nos projetos piloto a serem implementados em Minas Gerais, Goiás e Tocantins. 90 estabelecimentos (10%) terão a obrigação de executar uma das tecnologias aprendidas e serão transformadas em cases de estudo e vitrines tecnológicas.

(Com informações do Senar Central)