Lançamento do Plano Safra aborda a liberação de recursos ao Produtor

O Banco do Brasil anunciou, nesta quarta-feira, dia 04, a liberação de R$ 103 bilhões para a safra 2018/19, com R$ 11,5 bilhões exclusivos para Goiás. Em solenidade acompanhada atentamente por produtores rurais e entidades ligadas ao agronegócio, o Banco também confirmou a redução de até 1,5% na taxa de juros de crédito rural para as linhas de custeio, investimento e comercialização da agricultura empresarial. Estes recursos poderão ser acessados pelos produtores até 30 de junho de 2019.

Destaques - o presidente em exercício do Sistema Faeg, Bartolomeu Braz Pereira, ressaltou a importância da nova linha especial de crédito do Programa de Construção de Armazéns – o PCA e da queda na taxa de juros. “Esta linha dará condições para que o produtor de até 6 mil toneladas ou 100 mil sacas armazene a produção em sua propriedade, diluindo suas vendas com competitividade, sem sofrer tanto com os impactos das incertezas do mercado - como enfrentamos durante a greve dos caminhoneiros e agora, com atual discussão do tabelamento de frete”, ressaltou. “O produtor brasileiro quer produzir, quer contribuir para a melhoria da economia e geração de empregos, mas esbarra na falta de ferrovias e hidrovias suficientes, e nas dificuldades geradas na falta de logística para planejamento e escoamento de produção”, resumiu Bartolomeu.

O superintendente regional do Banco do Brasil - BB, Sinvaldo Vieira dos Santos, ratificou o compromisso da instituição com o desenvolvimento goiano. “Essa injeção de novos créditos fortalece todo o setor produtivo. Não faltará empenho das agências para facilitar o acesso dos produtores goianos ao crédito”, disse.  Para o Superintendente Executivo de Agricultura da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Científico e Tecnológico e de Agricultura, Pecuária e Irrigação -  Antônio Flávio Camilo de Lima, o novo plano demonstra sensibilidade com quem usa o recurso e para com o desenvolvimento sustentável do Brasil. 

 Já o presidente da Federação dos Trabalhadores Rurais na Agricultura Familiar do Estado de Goiás – Fetaeg, Alair Luiz dos Santos, frisou a representatividade da agricultura familiar: “precisamos facilitar o acesso ao crédito para beneficiar o maior número de famílias”, disse ele.  O Brasil é uma potência mundial na produção de alimentos e precisa alavancar sua competitividade no mercado”, destacou o presidente da Agência Goiana de Assistência Técnica, Extensão Rural e Pesquisa Agropecuária – Emater,  Pedro Arraes.

O gerente de agronegócio do Banco, Rodrigo Roberto dos Santos, frisou que a cada R$1 investido em safra no país, R$ 0,82 centavos saem do BB. Rodrigo enfatizou os novos canais que a instituição está disponibilizando para auxiliar os produtores no gerenciamento de crédito rural, com destaque para o Agrobot (consultor virtual inteligente criado para auxiliar o produtor no processo de tomada de decisão negocial) e a disponibilização de contratações de operações de crédito via mobile.  

“Durante o anúncio, alguns representantes demonstraram preocupação com a alteração na metodologia de cálculo das taxas de juros aplicáveis à operações de crédito rural com recursos dos Fundos Constitucionais, dentre eles o FCO. O Sistema FAEG/SENAR está avaliando detalhadamente a nova metodologia, mas informa que a nova metodologia é complexa e retira do produtor a prerrogativa de ter como base apenas a taxa de juros, inserindo outros componentes no seu cálculo que pode encarecer o crédito e tornar mais burocrática a tomada de recursos por parte dos produtores.

Crédito Rural para Goiás:

            - No Estado de Goiás serão R$ 11,5 bilhões de recursos para nova safra: R$ 9,4 bilhões serão liberados para empresas da cadeia do agronegócio e R$ 2,08 bilhões em crédito rural aos produtores e cooperativas goianas. Do montante, R$ 8,6 bilhões serão direcionados para operações de custeio e comercialização e R$ 2,9 bilhões para créditos de investimento agropecuário.