Qualidade e assistência técnica gerencial da cadeia láctea

Mais de 400 produtores  de todo o estado, além de  empresários da área conheceram as  últimas novidades do mercado Lácteo no Terceiro Encontro de Produtores do leite. O evento aconteceu  nesta  quinta-feira (08/11), na sede da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás. A abertura do evento foi feita pelo presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás, José Mário Schreiner. Ele destacou a importância da cadeia de produção de leite que envolve pelo menos 220 mil pessoas. No estado são 85 mil produtores, só 5 mil estão sendo assistidos.  “E preciso destravar a iniciativa privada para quem vai gerar emprego. Tem que diminuir a burocracia e acreditar nas pessoas”, pontuou

O Terceiro encontro estadual dos Empreendedores do Leite é uma iniciativa do Sistema FAEG SENAR E do Serviço de apoio às Micro e Pequenas Empresas ( SEBRAE). “ Essa cadeia de produção  de leite  tem uma atenção especial nossa porque é a que gera mais ocupações e renda no estado. Ela está nos 246 municípios, então a gente precisa ficar atento e apoiar principalmente os pequenos produtores para que não fiquem excluídos”, explicou o diretor técnico do Sebrae Wanderson Portugal.O foco durante a primeira parte do evento foi Coordenação Setorial da Cadeia Láctea.  Valter Bertini Galan do Portal Milk Point Mercado, falou sobre a competitividade do leite brasileiro. O Produto atualmente voltado para a produção interna pode revolucionar a economia com algumas adequações,  para produção constante  e de qualidade e assim ser exportado. 

Sávio Santiago do Laticínio Verde Campo falou sobre  Instrumentos e Ferramentas para a Harmonização da Relação Produtor e Indústria.  O assunto gera muito questionamento por parte dos produtores que reclamam que vendem o leite barato enquanto a indústria fatura muito com a venda para o consumidor. “ Tem que partir da Industria a construção dessa relação com o produtor e o interesse de ganhos dos dois lados”, sugere, Santiago.

Os entraves para a exportação da produção goiana foram abordados pelo pesquisador da Embrapa Gado de Leite, Glauco Carvalho. Ele sugere que a profissionalização é a chave para prosperar na atividade e alerta que é preciso superar entraves como falta de infraestrutura e gestão ineficiente para fortalecer o setor. A qualidade do Leite como fator competitivo ganhou voz na palestra da Professora Clarice Gebara Serrate. Ela apresentou dados relevantes reforçando que a pouca qualidade do leite  brasileiro impacta na fraca competitividade externa. Clarice Gebara defende que atitudes simples como a  higiene de equipamentos e tanque de ordenha são caminhos baratos para aumentar a competitividade do leite diante o mercado externo. E para finalizar, Carlos Eduardo Carvalho, consultor técnico do Senar Goiás destacou que investimentos em tecnologia e assistência técnica e gerencial são fundamentais para promover ganhos de produtividade com redução de custos e proteção de preços. 

Com sucesso de público, a quarta edição do Encontro Estadual do Empreendedores do Leite já tem data marcada.

Confira no vídeo. 



Comunicação Sistema Faeg Senar