Melhorias nas rodovias



Zé Mário Schreiner, presidente do Sistema Faeg/Senar e deputado federal


Não há a menor dúvida de que a agropecuária é a principal mola propulsora da economia brasileira. Referência em produtividade, o agro goiano se destacou nas exportações em 2020. De janeiro a dezembro do ano passado, o setor somou quase US$ 6,34 bilhões em exportações, o que representa 78,1% do total comercializado pelo Estado, de US$ 8,11 bilhões.

Os números mostram a força e a pujança do agronegócio goiano. O proprietário rural precisa se preocupar com as variáveis que podem influenciar a rentabilidade e a capacidade produtiva de seus negócios. Contudo, são os fatores fora da porteira que causam a principal dor de cabeça do produtor, já que estes ele não pode interferir, como é o caso das rodovias.

Sob este prisma, a trafegabilidade das vias de acesso à propriedade são de extrema importância, responsáveis pela entrada de insumos e pelo escoamento da produção, seja ela agrícola ou pecuária. As condições ruins de tráfego prejudicam não somente o produtor rural, mas sim a sociedade como um todo. Fato comprovado pelo elevado número de acidentes registrados nos últimos anos, além da impossibilidade de deslocamento em muitos casos.

Diante dessa realidade, a infraestrutura das vias se faz extremamente necessária para que sejamos de fato competitivos diante de uma economia tão dinâmica. Pensando nisso, nós, da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg), mediamos parceria entre o governo de Goiás e o Fundo para Desenvolvimento da Pecuária em Goiás (Fundepec-Goiás), que resultou na viabilização de cerca de R$ 5 milhões para a elaboração de projetos de melhoria da malha rodoviária no Estado de Goiás.

Deste montante, 95% dos recursos serão destinados a projetos de construção e reconstrução de quase 400 quilômetros de rodovias, e o restante para elaboração de projetos de obras de arte (pontes), num total de aproximadamente 150 metros. Com esse novo marco de parcerias público-privadas, estamos diminuindo em torno de 50% do tempo necessário para execução de obras, que vão garantir melhores condições de trafegabilidade. Além disso, vamos diminuir os prejuízos financeiros aos agropecuaristas, melhorando o escoamento da produção e fortalecendo a economia goiana.

Artigo publicado em O Popular