Produção de leite aumenta 85% em propriedade assistida pelo Senar Goiás

Antes de ser beneficiado com o programa ATeG, produtor chegou a pensar em vender o rebanho e desistir da atividade

É em uma propriedade de 74 hectares, a 22 quilômetros de Anápolis, que Wilson Braz da Costa produz leite há cinco anos. Nesse período, passou por altos e baixos, tomando até a decisão de desistir da atividade. Há um ano e meio, chegou até a pensar em vender o rebanho e encerrar os contratos. Isso porque os gastos estavam maiores que os lucros na produção – que girava em torno de 4,2 mil litros de leite por mês. 

Mas o que parecia não ter uma saída viável, ganhou um novo horizonte com o Senar Goiás. “Eu recebi a visita de um técnico de Assistência Técnica e Gerencial do Senar Goiás (ATeG). Ele avaliou minhas instalações, estrutura, genética do rebanho, área de utilização para a atividade, localização, acesso e viu na minha propriedade um grande potencial, elaborando assim um projeto de reestruturação da atividade”, conta o pecuarista.

Wilson foi orientado a alterar a estrutura do rebanho fazendo uma melhoria na recria, redução no intervalo de parto, manejo de pastagem, entre outras adequações. Com essas medidas, o resultado foi rápido. “Eu fiz um investimento baixíssimo. Vendi o excesso de animais da categoria recria e comprei outros para a lactação. Fiz um remanejamento de capital, baixando o custo da recria e aumentando a receita. A ATeG do Senar Goiás mudou minha realidade, motivando a continuar, e agora, após 10 meses de acompanhamento, já alcancei a produção de 9,2 mil litros de leite por mês, com o mesmo rebanho. A assistência é fundamental para que o produtor de leite não fique limitado e sim capacitado para desenvolver seus negócios”, informa.