Faeg discute Política Nacional do Trigo com representantes da Abitrigo e Sindtrigo

A Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg), foi acionada pelas entidades para somar esforços à proposta que visa o crescimento da cadeia produtiva

Os alimentos à base de trigo estão presentes na maioria dos lares brasileiros e são fundamentais para a composição da cesta básica. Por saber da importância desta cadeia produtiva para a produção agrícola brasileira, foi que o presidente do Sistema Faeg/Senar e deputado federal, Zé Mário Schreiner (DEM-GO), se reuniu virtualmente na manhã desta quinta-feira (08/04) com Sérgio Scodro, presidente do Sindtrigo (Sindicato dos Moinhos de Trigo da Região Centro-Oeste), com o embaixador Rubens Barbosa, presidente da Abitrigo (Associação Brasileira da Indústria do Trigo), e toda sua equipe técnica, para discutirem sobre a proposta de uma política nacional do trigo.

Durante o encontro, o presidente do Sistema Faeg/Senar e deputado federal, Zé Mário, reforçou a importância do alinhamento entre o governo e o setor produtivo para a solidez na rentabilidade e competitividade da produção agrícola, bem como para a segurança alimentar da população. “Fomos procurados pela Abitrigo para poder somarmos esforços para a discussão no avanço da política nacional do trigo. Buscando uma política de autossuficiência na produção do Trigo no Brasil”, explica.

Está em estudo no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, a Política Nacional do Trigo, entregue ao governo pela Abitrigo, entidade representativa do setor moageiro. “A proposta visa o crescimento do mercado de trigo, o estímulo da produção interna, o fortalecimento da agroindústria e à valorização do consumo”, explica o presidente da Abitrigo, embaixador Rubens Barbosa. A instituição está engajada na proposição de iniciativas para o crescimento sustentável do mercado, contribuindo para a criação de políticas que valorizem os produtos, fortalecendo o setor produtivo primário, a agroindústria e que beneficiem o consumidor brasileiro.

“Vamos analisar esta proposta e reforçá-la, junto à Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), para verificarmos quais os caminhos e encaminhamentos que podemos auxiliar na implementação desta política, que merece a nossa total atenção. E, assim, garantir avanços que gerem valor para os produtores e toda a sociedade brasileira”, enfatiza Zé Mário, que também é presidente da Comissão Nacional de Política Agrícola da CNA.

Produção de trigo em Goiás

Com incremento na produção do cereal previsto em 161,5%, o Estado de Goiás deve alcançar o quarto lugar no país, com 241,6 mil toneladas produzidas, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Enquanto a expectativa para a safra de grãos 2020/2021 aponta produção de 27,5 milhões de toneladas em Goiás, uma cultura, especificamente, tem ganhado atenção de produtores e sido alvo de investimentos no Estado: o trigo. Dados divulgados pela Conab, em fevereiro deste ano, no 5º Levantamento da Safra de Grãos 2020/2021, apontam que o cereal deve alcançar produção de 241,6 mil toneladas, recorde na série histórica que coloca Goiás como quarto maior produtor nacional de trigo, atrás apenas de Paraná, Rio Grande do Sul e São Paulo.

Imagem: Divulgação

Comunicação Sistema Faeg/Senar