AJUDA
O seu próximo passo no campo goiano começa agora! Conheça todas as possibilidades que o Sistema FAEG oferece a você:

Encontro reúne técnicos e profissionais da cadeia leiteira

Imagem

Encontro dos Empreendedores do Leite 1Diversos temas foram debatidos, com o intuito de levar conhecimento e informação para o campo

Mais de 300 técnicos e profissionais que atuam na cadeia de pecuária leiteira em Goiás participaram na tarde desta quarta-feira, 4, na sede da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg), do primeiro dia de programação do 2º Encontro Estadual dos Empreendedores do Leite. Com temáticas mais técnicas, o evento abordou assuntos como importância do gerenciamento no sucesso em empresas produtoras de leite; sequenciamento do genoma de raças leiteiras e sua influência na qualidade do leite; qualidade do leite e aproveitamento industrial; e gestão da qualidade como ferramenta de ganhos de produtividade.

Nesta quinta-feira, 5, o encontro continua no Centro de Convenções da PUC Goiás, a partir das 8h30, e terá programação aberta ao público, com temas que pretendem mostrar a importância do leite para a economia e para a saúde da população. A realização é da Faeg, com apoio do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar Goiás) e do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Goiás (Sebrae Goiás).

Transformar vidas
Durante a abertura do encontro, o presidente do Sistema Faeg Senar, José Mário Schreiner, ressaltou o papel que o técnico exerce no campo ao levar informação e conhecimento para o produtor rural. “No ponto que nós estamos chegando de competitividade, não só na área de produção de leite, mas em toda a agropecuária, o acompanhamento técnico tem sido fundamental. E hoje as instituições têm assumido essa responsabilidade de levar assistência técnica para o campo. É o caso da Universidade Federal de Goiás, do Sebrae e de nós, por meio do programa Senar Mais”, enfatiza.

Segundo ele, o Senar Mais leva assistência técnica e gerencial não só para a pecuária leiteira, mas também outras seis cadeias produtivas – apicultura, fruticultura, horticultura, ovinocaprinocultura, pecuária de corte e piscicultura. “Sem dúvida nenhuma de leite, a de leite é mais expandida. Hoje, mais de 65 mil têm em sua atividade principal a produção de leite, desde pequenas, médias e grandes propriedades. É uma cadeia produtiva que emprega mais de 220 mil pessoas, de forma direta e indiretamente. É a cadeia produtiva mais importante do ponto de vista socioeconômico do nosso estado”, ressalta.

José Mário afirma ainda que, atualmente, a assistência técnica levada para o campo não é mais aquela ‘pura e simples’, que objetiva aumento de produção e produtividade. “Visa a gestão, renda dos produtores rurais e a consequência a melhoria da qualidade de vida. Sempre tenho dito, o assistente técnico não é simplesmente uma pessoa que vai lá dar os seus ensinamentos, repassar seu conhecimento no sentido de aumentar a produção de leite em sua propriedade. Mas sim transformar a vida daquele produtor rural. E esses são os resultados que nós já temos visto no estado, transformando a vida desses produtores. Muitas vezes filhos de pequenos produtores que abandonaram suas propriedades, agora percorrem o caminho inverso, buscando uma vida melhor. Agora vão lá se tornar sucessores dessa propriedade e acima de tudo tendo uma expectativa de vida melhor. Esse tem sido nosso trabalho”, reforça.

Conhecimento técnico
Diversos assuntos foram debatidos no primeiro dia do Encontro Estadual dos Empreendedores do Leite. O palestrante Paulo Fernando Machado, da Clínica do Leite, Esalq/USP, abordou a importância da gestão no sucesso da fazenda. De acordo com ele, todo produtor de leite faz gestão de alguma forma. “Pode ser que a forma que ele está fazendo gestão não esteja o levando a ter o sucesso que gostaria. O que sugeri foi uma forma, um método de gerenciar fazendas que comprovadamente trazem sucesso”, afirma.

Já o professor Celso José de Moura, da Engenharia de Alimentos da Escola de Agronomia da UFG, destacou a importância da qualidade em relação à produção industrial. Ele explicou que quando se trata de qualidade, é preciso falar no plural. “Para cada finalidade, eu tenho de pensar num tipo de qualidade. Por exemplo, se vou fazer queijo, determinado leite tem maior ou menos aptidão. O mesmo caso de leite em pó. A importância disso em um evento que trata da qualidade de leite é fundamental, porque mostra que todos estão preocupados com qualidade, com a melhora constante”, diz.

O representante do Departamento de Nutrição e Produção Animal da FMVZ/USP, Marcos Veiga Santos, informou que trazer informações para técnicos é essencial para que possa levar para o produtor e mostrar como a qualidade do leite pode afetar a lucratividade das fazendas. “Nós temos hoje estudos que mostram que fazendas que conseguem atingir um bom controle em termos de saúde da glândula mamária são mais rentáveis, eficientes e que tem capacidade de produção de leite de melhor qualidade. Então existe uma relação muito clara entre ter um bom controle de mastite, que é um dos principais indicadores de qualidade do leite, com a rentabilidade das fazendas. A ideia é que a gente possa trazer para os técnicos esses números, essa alimentação, na grande maioria das vezes”.

Marcos Vinicius Barbosa da Silva, da Embrapa Gado de Leite, abordou o uso de sequenciamento para uso e melhoria da qualidade do leite. “O que a gente procurou mostrar foi exatamente as tecnologias genômicas que podem ser utilizadas para apressar o melhoramento nas diferentes raças bovinas e para diferentes características como proteína, gordura, células somáticas. Mostrar que por meio do sequenciamento é possível fazer identificações de marcadores moleculares que estejam ligados a genes importantes que são passíveis de serem utilizados em programas de seleção para melhoria”, informou.

Programação – 2º dia
5 de outubro (quinta-feira)
07:30 às 08:30 – Inscrições e café da manhã
08:30 às 09:30 – Abertura
09:30 – 10:15 - Palestra: “Leite é Saúde” – Dr. Drauzio Varela – Médico Oncologista
10:15 às 11:15 –Mesa Redonda: “Benefícios e a Reputação do Leite”
Olga Maria Silvério Amâncio – Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição
Paulo Henrique Fonseca da Silva – Departamento de Nutrição da Universidade Federal de
Juiz de Fora
Ana Paula Menegatti – Gestora de Projetos ≠bebamaisleite
Eliza Prado – Diretora Executiva da TV1 RP
Moderador: José Mário Schreiner – Presidente Faeg
11:15 às 12:00 – Debate
12:00 às 14:00 – Almoço
14:00 às 15:10 - Mesa Redonda: “Mercado e Consumo de Lácteos”
“Tendência do Mercado Nacional e Internacional de Lácteos” – Glauco
Rodrigues Carvalho – Embrapa Gado de Leite
“Para onde Caminha o Consumo de Leite e Derivados” – Vitor Marchi –
Especialista Setor Lácteos Nielsen Brasil
Moderador: Igor Montenegro – Diretor Superintendente SEBRAE GOIÁS
15:10 às 15:40 – Debate
15:40 as 16:00 – Sorteio de Brindes
16:00 - Encerramento

Serviço
2º Encontro Estadual dos Empreendedores do Leite
Data:
5 de outubro – Centro de Convenções da PUC – Campus II – Jardim Mariliza – Goiânia (GO)
Horário: 7h30 às 16 horas
Mais informações: www.gatheros.com/evento/encontro-estatual-de-empreendedores-do-leite-1o-dia

Texto: Fernando Dantas

Foto: Fredox Carvalho

Áreas de atuação

Veja também

Prazo

Notícias

Prazo para produtor emitir CCIR começa nesta terça (18/06)

Mecanismos

Notícia

Mecanismos de preservação do patrimônio: se inscreva para os seminários de holding rural

Produção

Notícia

Produção de soja e milho sofreram ajustes dos números para safra 23/24

Imagem