AJUDA
O seu próximo passo no campo goiano começa agora! Conheça todas as possibilidades que o Sistema FAEG oferece a você:

Silvicultores serão alvo de capacitação para produzir e gerir

Imagem

silviculturafaeg - Larissa Melo 01Michelle Rabelo

Saber exatamente qual atividade dentro da silvicultura seguir – visando as características do território e do mercado - e como gerir o negócio é requisito básico para um caminho de sucesso dentro do segmento. Com a intenção de capacitar quem vive da exploração da madeira, membros da Comissão de Silvicultura da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg) se reuniram com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) Goiás, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Floresta, com a Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária (CNA) debateram os desafios enfrentados pelos produtores. Mas nem só de problemas vive o setor. No decorrer da conversa foram apresentados também os vários programas que objetivam ajudar quem produz e uma prévia das ações que deverão acontecer em 2015 – a principal delas é a organização da silvicultura goiana como um todo.

Estiveram reunidos o presidente da Comissão de Silvicultura da Faeg, Walter Vieira Rezende, o chefe da Gerência Técnica da Federação, Edson silviculturafaeg - Larissa Melo 14Novaes, a assessora técnica para a área de Silvicultura do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) Goiás, Jordana Sara, o técnico adjunto da entidade, Leonnardo Cruvinel. Representantes do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) Goiás, da CNA e da Embrapa Floresta puderam conhecer o trabalho que o Sistema Faeg/Senar vem realizando para a silvicultura goiana.

Walter começou citando a importância de disponibilizar maior atenção aos produtores. “Não temos uma ação voltada para eles, e sim para a cadeia produtiva como um todo. O setor exige uma injeção de ânimo na veia e isso tem que ser feito diretamente no produtor”, pontuou. Como já vem falando durante todas as reuniões da Comissão, ele chamou atenção para a importância do conhecimento sobre as verdadeiras demandas da silvicultura, “o que facilitaria a elaboração de um planejamento”.

silviculturafaeg - Larissa Melo 11Sobre os dados, a assessora técnica da Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura da CNA, Camila Soares Braga, explicou que a intenção da entidade é iniciar um trabalho em Goiás para identificar quem são os silvicultores, o que eles produzem e para quem vendem seus produtos – um verdadeiro diagnóstico do setor. “A diferença entre o lucro e o prejuízo do silvicultor é muito pequena, a linha é muito tênue, por isso tudo o que ele fizer precisa ter embasamento. Nós vamos oferecer esse embasamento para eles”. A ideia é que, em seguida, alguns produtores recebam assistência técnica. Como eles já irão ter passado por capacitação para produzir e gerir suas propriedades, o ciclo estará completo.

A ideia da CNA é escolher algumas propriedades, ministrar palestras de sensibilização e construir Unidades Modelos em parceria com os produtos rurais. A partir daí, iniciar o processo de orientação por meio de assistência técnica. Tudo isso paralelamente aos cursos do Senar Goiás e a capacitação na área de gestão, oferecida pelo Sebrae Goiás.

Silvicultura na prática

Durante a reunião, a CNA apresentou dois treinamentos pensados por solicitação do Senar Goiás. A Capacitação Tecnológica em Silvicultura tem como foco instrutores e aborda mais fortemente a eucaliptocultuta – principal cultura florestal do Brsail. Ao todo, são 160 horas/aula que representam quatro módulos. Já a Capacitação tecnológica em Heveicultura, com 120 horas/a ula que representam três módulos.

Camila Soares Braga também comentou sobre o Programa Mais Florestas – que incentiva o produtor rural a investir no plantio e no manejo de floretas comerciais para uso múltiplos, o que inclui produtos madeireiros e não madeireiros, com tecnologia aplicada. “Em 2012, depois quando o Mais Leonnardo CruvinelFlorestas tinha três anos de criado, Mato Grosso do Sul já tinha a mais 1.500 hectares plantados. Nosso objetivo é que dentro de 10 anos, esse número suba para 10 mil hectares”, explicou.

Leonnardo Cruvinel comentou os treinamentos do Senar que já acontecem no estado no setor: em 2014 foram 29 turmas capacitando 305 produtores em “Plantio e Tratamento de Madeira” e 11 turmas com 147 participantes em “Sangria de Seringueiras”.

Programas em prol do produtor

A longo da manhã, também foram apresentados outros programas que objetivam auxiliar os silvicutores goianos. Foram citados o Programa Mais Árvores - iniciativa da Federação da Agricultura e Pecuária do Mato Grosso do Sul (Famasul) que visa aumentar a qualidade da madeira através de incentivos para manejo e plantio do produto para a comercialização – o Programa PrevFogo, o ABC e o Projeto Campo Futuro.

silviculturafaeg - Larissa Melo 10O chefe da gerência técnica da Faeg, Edson Novaes, citou o trabalho feito pela Associação dos Produtores de Borracha Natural de Goiás e Tocantins (APROB) e ratificou a importância de iniciativas que visem o desenvolvimento da silvicultura. Para a consultora do Senar Goiás, Jordana Sara, a Comissão da Faeg é o lugar mais apropriado para o debate dos gargalos e oportunidades do setor, que precisa cada vez mais estar em pauta.

O técnico adjunto o Senar Goiás, Leonnardo Cruvinel defendeu também defendeu a a intensificação das discussões e a elaboração de um planejamento. Ele falou sobre o ABC e capacitação de técnicos para disponibilização de assistência técnica aos produtores.

Áreas de atuação

Veja também

Condições

Preço Hortifrutis

Condições climáticas continuam impactando nos preços de Hortigranjeiros

Cosméticos

Caso de Sucesso

Cosméticos feitos com mel: esteticista realiza sonho com ajuda da ATeG do Senar Goiás

Expandindo

Resultados

Expandindo horizontes com a ATeG do Senar Goiás

Imagem