AJUDA
O seu próximo passo no campo goiano começa agora! Conheça todas as possibilidades que o Sistema FAEG oferece a você:

CNA quer padronizar classificação de pulses para facilitar exportação

Imagem

De acordo com a CNA, o mercado, que é formado por feijão, ervilha, lentilha e grão de bico, tem ganhado muito espaço no mercado internacional

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) reuniu na quinta, 8, produtores, exportadores e representantes do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e da Embrapa para discutir padrões de classificação de pulses (feijão, ervilha, lentilha e grão de bico).

De acordo com o assessor técnico da Comissão Nacional de Cereais, Fibras e Oleaginosas da CNA, Alan Malinski, o objetivo do encontro foi desenvolver uma tabela de classificação e padronização dessas culturas para exportação.

Você sabe o que são pulses? Entenda!

Feijão e pulses: desafios e oportunidades em 2019

“O Brasil tem ganhado muito espaço nesse mercado, sobretudo com os feijões e o grão de bico. E para aumentar a participação desses produtos no comércio exterior, o setor precisa formalizar algumas etapas do processo. Então nós discutimos os detalhes que precisam conter em uma instrução normativa para regularizar essa cadeia”, explicou.

De acordo com a CNA, o Brasil tem capacidade de ampliar as exportações do grão de bico para mercados importantes, como Índia, Turquia, Argélia, Canadá, Jordânia, Sri Lanka, Arábia Saudita, Líbia e principalmente União Europeia e Bangladesh, que não cobram tarifa de importação desse produto do Brasil.

“A classificação dos grãos é um desafio para a exportação. O Brasil possui padronização para o mercado local, mas não para o mercado externo, então precisamos adequar isso e definir parâmetros para superar esse gargalo”, disse o empresário Paulo Aguiar.

Durante a reunião, também foram debatidos os trabalhos desenvolvidos pela Embrapa para feijão e pulses, como pesquisas para desenvolvimento de novas variedades e sistemas de produção para tornar essas culturas mais produtivas e gerar produtos de melhor qualidade.

“Existe um mercado interessante lá fora e os produtores brasileiros precisam de um regramento mínimo que facilite a comercialização desses produtos. O debate com o Ministério da Agricultura gerou possíveis caminhos para essa demanda”, afirmou o chefe-geral da Embrapa Arroz e Feijão, Alcido Wander.

Foto: Ibrafe/ Divulgação

Crédito: Canal Rural

Comunicação Sistema Faeg/Senar

Áreas de atuação

Veja também

Senar

Notícia

Senar Goiás oferece curso para prevenir e combater incêndios em áreas agrícolas

Festa

Notícia

Festa de sabores que dura o ano todo

Soja

Notícia

Soja e milho sofreram pequenas variações na produção na Safra 23/24

Imagem