AJUDA
O seu próximo passo no campo goiano começa agora! Conheça todas as possibilidades que o Sistema FAEG oferece a você:

Oportunidades que brotam com o Senar

Imagem

Todos os dias pela manhã, Paulo utiliza um triciclo, que ele mesmo construiu, para ir até a chácara, localizada a 1 quilômetro de Nazário, cidade onde mora. No local, ele passa para a cadeira de rodas e começa o trabalho na plantação de hortaliças, por meio do sistema de hidroponia. A técnica de cultivo é sem terra e as raízes recebem uma solução que contém água e todos os nutrientes essenciais para o desenvolvimento da planta, através de canos de PVC. “Eu sofri um acidente há 20 anos e fiquei sem andar. Tive que adaptar toda a minha vida. Antes eu fabricava queijos e aí fui obrigado a aprender outro trabalho em que eu pudesse fazer me locomovendo com cadeira de rodas e o triciclo”, conta o horticultor.

Através da internet, Paulo começou a fazer pesquisas e descobriu, primeiro, a aquaponia, criação de peixes associada ao cultivo de hortaliças. Mas sem o devido treinamento, o negócio não prosperou. No ano passado, ele conheceu o Senar Goiás e através do intermédio do Sindicato Rural, fez o curso de hidroponia. “Agora, um ano depois, eu produzo mil pés de alface por mês, além de rúcula e cheiro verde. Às 8 horas da manhã, eu entrego as folhagens fresquinhas. Graças a Deus fiz uma boa freguesia. Meu produto não tem defensivos agrícolas e é tudo muito saudável e gostoso”, reforça.

A chácara de Paulo já serviu de sala de aula para outra turma que quis aprender hidroponia com o Senar Goiás. A partir de agosto, a intenção é que alunos de escolas públicas possam ir até a propriedade e aprender a técnica. “O curso de hidroponia do Senar Goiás foi uma revolução para mim. Quando a gente trabalha, sem saber direito as técnicas, toma muito prejuízo. Com o Senar melhorou 200 por cento”, conclui.

Benefícios

O agrônomo e instrutor do Senar Goiás, Ricardo Pereira, destaca as vantagens da hidroponia. “A economia de água é muito grande, porque o sistema é fechado. Sem vento não tem evaporação. Também é possível maior controle e assim evitar vazamentos. A mão de obra é facilitada, além de ser trabalho limpo, com quase nada de química. Ainda podemos destacar a produção de excelente qualidade e a colheita mais rápida. Em média 30 dias já tem alface no ponto, enquanto no plantio convencional seriam gastos 40 a 50 dias”, afirma.

O que se aprende no curso

Princípios do cultivo protegido

Estruturas para cultivo de mudas e hortaliças em estufas

Recipientes e substratos para produção de mudas em estufas

Sistemas de cultivo hidropônico

Temperatura e umidade na estufa

Nutrição mineral de plantas

Calibração/aferição de Equipamentos

Controle de pragas e doenças na hidroponia

Colheita/pós-colheita de produtos hidropônicos

Para mais informações sobre esse curso ou outros, acesse: http://www.sistemafaeg.com.br/senar ou procure o Sindicato Rural de sua região.

Texto: Revana Oliveira

Fotos: Fredox Carvalho

Comunicação Sistema Faeg/Senar

Veja também

Mercado

Notícia

Mercado de aluguel de máquinas agrícolas apresenta boas opções para pequenos e médios produtores

Apicultores

Notícia

Apicultores de Goiás devem cadastrar propriedade criadora de abelhas junto a Agrodefesa

Interleite

Notícia

Interleite Brasil 2024 será realizado com apoio do Senar Goiás

Imagem