AJUDA
O seu próximo passo no campo goiano começa agora! Conheça todas as possibilidades que o Sistema FAEG oferece a você:

Pesquisadores decifram genoma do fungo causador da ferrugem da soja

Imagem

Descoberta pode abrir as portas para o desenvolvimento de manejos mais eficazes contra a doença, principal ameaça às lavouras de soja

Uma nova esperança surge na guerra contra a ferrugem da soja. É que um consórcio formado por 12 empresas públicas e privadas de vários países anunciou a conclusão do sequenciamento e da montagem do genoma de três diferentes amostras do fungo Phakopsora pachyrhizi, causador da doença. O passo é considerado fundamental para permitir que a comunidade científica encontre brechas para desenvolver manejos mais eficazes contra a ferrugem.

A nota técnica publicada pelas empresas que participaram da pesquisa (entre elas a Embrapa e a Universidade Federal de Viçosa, representando o Brasil), enaltece a descoberta diante da alta complexidade do genoma do patógeno, “capaz de adaptar às estratégias de controle, de modo que o número de soluções práticas para o controle da doença é limitado”. O documento destaca ainda que para “decifrar” o genoma foi preciso utilizar “um conjunto de tecnologias de sequenciamento de última geração”, que forneceram “leituras de fragmentos de DNA pequenos (Illumina) ou longos (PacBio)”, já que o uso apenas das “técnicas tradicionais de sequenciamento” esbarrava justamente no alto grau de complexidade do patógeno.

Conforme a nota, “o sequenciamento revelou que o genoma é extremamente rico em sequências repetitivas e DNA não codificante”, e que a missão daqui pra frente é “decifrar a biologia do fungo e entender, no nível molecular, a sua complexa interação com a soja”.

De acordo com bióloga Francismar Marcelino, pesquisadora que participou do estudo representando a Embrapa, “a conclusão do sequenciamento e montagem do genoma do fungo de uma maneira inovadora e aberta é uma ótima notícia para toda a comunidade científica. Isso ampliará o entendimento da adaptabilidade, evolução e diversidade genética do Phakopsora pachyrhizi, abrindo caminho para estratégias baseadas nesse conhecimento para o controle da ferrugem asiática na soja”, conclui.

Presente do Brasil desde 2001, quando foi identificada em uma lavoura de soja no Paraná, a ferrugem ainda tira o sono dos agricultores brasileiros. Severa, a doença pode causar perdas de até 90% da produção se não for controlada, segundo a Embrapa. A estimativa é de que a cada safra sejam gastos mais de US$ 2 bilhões para combatê-la aqui no Brasil.

Não à toa, a novidade repercutiu positivamente no campo e gerou expectativas. Com as “portas abertas” para a ciência desenvolver novas ferramentas/manejo de combate à ferrugem, a torcida é de que no futuro os custos da atividade possam ser reduzidos.

Fonte: Canal Rural

Comunicação Sistema Faeg/Senar

Áreas de atuação

Veja também

Curso

Notícia

Curso de produção de ovos do Senar Goiás oferece novas possibilidades de renda com avicultura

Do

Desafio AgroStartup 2024

Do Campo ao Futuro: Soluções Inovadoras emergindo no AgroStartup 2024

Há

Notícia

Há 16 anos o Senar Goiás leva qualidade de vida para a família rural com o Campo Saúde

Imagem